Por Nelia Ramírez

Um dos prazeres que Sophie Turner (Northampton, 1996) recuperou após 10 anos dedicados a Game of Thrones foi o sonho. “Agora eu posso dormir mais!” Ela diz com uma risada do outro lado do telefone. Embora a intérprete esteja em Nova York promovendo a estréia de X-Men: Dark Phoenix, é inevitável que se refira ao fenômeno televisivo que paralisa a humanidade toda vez que é transmitido um episódio. Uma conversa telefônica estranhamente assistida (e conduzida) pela escuta atenta de suas relações públicas. Turner, felizmente, ri de cada intrusão e responde divertidamente.

Aos 23 anos, e de volta ao seu loiro natural, ela experimenta um período de expansão pessoal após uma adolescência dedicada a um projeto monumental. “Agora estou aprendendo a me conhecer muito melhor, a saber quem sou, a descobrir quais são meus hobbies além de passar o dia atuando. Foi um estágio muito bom, me encontrar de novo.” Um caminho que fala claramente perante a imprensa (e em suas redes) sobre as inseguranças que sofrera por causa de seu físico, que sofrera a síndrome do impostor que ataca muitas mulheres e que a luta contra o estigma de doenças mentais para poder normalizar a conversa sobre o assunto

Para interpretar o personagem da Fênix Negra, você estudou sobre esquizofrenia e personalidade múltipla, o que você aprendeu?
Foi muito revelador. Simon [Kinberg, diretor do filme] e eu investigamos não apenas como o distúrbio afeta a pessoa, mas também como ele interfere em seu núcleo próximo, como família ou amigos.

Além do filme, em suas redes sociais, torna visível a conversa sobre o tratamento de transtornos mentais.
Devemos combater o estigma que envolve qualquer tipo de doença mental. Ou apenas para ver os esforços em direção à cura ou para mostrar apoio a outras pessoas que estão lidando com ela: um primeiro passo para procurar ajuda, entender que não é um tabu e que as pessoas podem falar abertamente sobre isso, com confiança.

Você estava interessada no mundo dos quadrinhos antes do filme?
A verdade é que não, mas há uma curiosa coincidência: quando meus irmãos eram mais jovens, roubei um de seus quadrinhos e acabou sendo a Fênix Negra. Talvez fosse o destino me chamando!

Acho que agora eles ficarão felizes em vê-la na adaptação do filme.
(Risos) Sim, bem, é ótimo. Estou cercado por fãs! Da minha futura sogra ao meu noivo [aqui, as relações públicas pressionam primeiro a tecla Voltar em seu telefone para apontar para Turner um assunto tabu – a entrevista foi realizada antes de seu casamento em Las Vegas, no início de maio. Turner ri da tecla que tocou] Muita gente!

No set, você teve o apoio e a tutela de Jessica Chastain. Como foi trabalhar com ela?
Oh, meu Deus! Eu amo trabalhar com Jessica. Ela é a melhor atriz que temos hoje. É uma figura francamente inspiradora. Não apenas pelo seu talento, mas por ver como ela funciona. Ela é forte, está se afirmando e a seus personagens também. É esse tipo de pessoa que faz as mulheres se sentirem importantes e transmite o fato de que precisamos continuar lutando e nos apoiando. Trabalhar com ela tem sido como aprender lições de tudo nesta vida.

Ela é uma ativista feminista e você também compartilha posições muito políticas em relação à luta pela igualdade em suas redes. É importante se posicionar?
Eu acho que todo mundo tem o direito de expressar suas opiniões. E ser simplesmente uma atriz não significa que você está excluído de expressar sua opinião. Muitas pessoas gostam de usar suas redes como plataforma para defender suas opiniões políticas, incentivar as pessoas a votar em algo ou simplesmente poder comentar o que acham errado em seu país no nível político. Eu não acho que é uma coisa ruim; Eu acho que é necessário.

A nova geração de atrizes parece não ter medo de se defender e não se desculpar por suas ações. Parece mais poderosa. O que mudou?
Sim, é assim, mas não acho que seja apenas uma questão que vemos nas atrizes. As mulheres em geral mudaram de atitude neste mundo. Eles estão dispostos a lutar por seus direitos, como salário igual. O movimento foi lento, mas está melhorando e temos um longo caminho a percorrer: continuamos com muita desigualdade em muitas áreas e no nível trabalhista. Por exemplo, a correspondência salarial custará muito. É importante que continuemos lutando e que reabramos continuamente o debate. Não devemos parar de falar sobre isso.

Seus tweets contra Trump são bastante engraçados e virais, especialmente esse “ugh!” Em resposta à apropriação feita pelo presidente da estética de Game of Thrones. O que você acha?
[Seu assistente pressiona uma tecla novamente e ressoa na conversa. Entende-se que não é uma pergunta bem-vinda, ela ri novamente divertida]. O que eu acho de Trump. Vou apenas dizer o seguinte: não apoio.

Você acha que os Estados Unidos estão prontos para ter uma mulher presidente em 2020?
Eu adoraria ver isso, seria algo incrível. Finalmente, um presidente lutando pela igualdade. Uma mulher mudaria muito as coisas para o resto de nós. Não apenas pelo nível de poder que isso implica, mas pelo que significa ter uma referência feminina dessa magnitude, líder em um dos países mais poderosos do mundo. As consequências seriam fantásticas.

Existem muitos candidatos à presidência no Partido Democrata, como Kamala Harris, Elizabeth Warren ou Kristen Gillibrand, algum favorito em sua piscina?
[Seu agente intervém para pedir gentilmente que retornemos à dobra de perguntas relacionadas ao filme].

Seu primeiro filme foi Meu Outro Eu (2013), sob a direção de Isabel Coixet, como você se lembra da experiência?
Adorei trabalhar com ela, ela é uma diretora fantástica e muito apaixonada! Eu realizei um sonho. Eu quero trabalhar com mais diretores espanhóis.

Você também atua como embaixadora da Louis Vuitton, que tipo de relacionamento você tem com o mundo da moda?
Quando trabalho com um personagem, uma das minhas prioridades é encontrar minha estética, de modo que a moda tem essa capacidade de moldar você para se tornar o que você quer ser ou como quer se ver no filme. A roupa é uma ferramenta extraordinária para mostrar um personagem: a moda é transformadora.

Qual é o seu item favorito de uma sessão?
Eu sempre vou guardar as roupas de Game of Thrones. Sempre.

Por que você acha que sua amizade com Maisie Williams [Arya em Game of Thrones] fascina tanto?
Muitos têm a ideia errada de que duas mulheres não podem ser amigas, porque competirão entre si ou são, como padrão, algumas raposas com outras garotas. Eles estão errados: as mulheres apoiam outras mulheres. Eu acho que, além do apoio incondicional dos fãs mais hardcore da série, é um pouco reconfortante ver duas garotas da mesma idade, que estão juntas nesta indústria e se ajudam, que estão felizes por suas realizações e que não têm inveja uma da outra.

Que personagem você adoraria interpretar?
Um homem! Randle Patrick McMurphy [Jack Nicholson] em Um Estranho no Ninho.

Qual é o melhor conselho que você recebeu em um set?
Jessica Chastain me disse para sempre ser fiel ao que acredito. Ela me ensinou que não é um problema defender o que é melhor para o meu personagem. Isso me fez ver que minhas opiniões podiam ser válidas e que eu podia levantar minha voz para defendê-las. Foi muito especial.

Você não dá essa impressão, parece uma pessoa com idéias claras.
(Risos) Sério? Bem, obrigado, eu não imaginava que me viam assim.

Matéria: S Moda | Tradução: Biah Frazão (Equipe Sophie Turner Brasil)

.